Notícias
Notícias
10 de Maio de 2017
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Sem reajuste dos benefícios sociais, trabalhadores da Prodam rejeitam ACCT
Durante assembleia, funcionários também expressaram sua indignação à emenda do Projeto de Lei 179, que prevê a extinção da companhia



Com a presença massiva dos trabalhadores da Prodam, foi realizada assembleia geral para discutir a proposta do Acordo Coletivo Complementar de Trabalho (ACCT) sobre as cláusulas dos benefícios sociais que não foram reajustadas ao índice econômico de 6,29% (IPCA).

O vice-presidente do Sindpd, João Antonio Nunes, e os diretores Pedro Saldanha, Maria José Ferreira da Silva Nogueira e André Luiz Gonçalves de Araujo conduziram as reuniões nas unidades da Francisco Matarazzo e Pedro de Toledo, junto com membros da Diretoria de Participação (Dipar) e do Conselho de Representantes dos Empregados (CREP).

De acordo com João Antonio, a Prodam não quer reajustar os benefícios nem conceder o abono de mais 10%, alegando dificuldades financeiras deixadas por gestões anteriores. A proposta da ACCT foi rejeitada pela maioria dos votos nas assembleias. Os empregados acreditam que ceder aos direitos básicos, como reajuste dos benefícios, não mudará o cenário econômico da Prodam, além de abrir brechas para posteriores propostas por parte da empresa. "Eu votei contra porque teria que ceder sem a contrapartida. Qual é a parte da empresa? Ela vai deixar de onerar a folha? Ela vai deixar de contratar? Não tem compromisso do outro lado. Eu não acho que isso vai resolver o problema da empresa e do município", disse Valter Franzoi, que é funcionário da Prodam há 41 anos.

A aprovação da emenda anexada ao Projeto de Lei 179, que prevê a extinção da Prodam até o ano de 2018, foi outro tema em pauta na assembleia. "A Prodam vem sofrendo por falta de investimento adequado nos últimos anos. Então a Câmara Municipal não tem informações sobre os serviços prestados pela Prodam para a Prefeitura de São Paulo, para o cidadão paulistano, e eles apenas olham como item de despesa, sem considerar o serviço que ela presta em gestão", argumentou o vice-presidente João Antonio.

Diante desse cenário, os trabalhadores da companhia expressaram sua indignação ao projeto, mas ressaltaram a importância da união dos profissionais para o desenvolvimento da empresa. "Se o prefeito vai sancionar ou não, essa é uma outra questão. O que a gente tem que fazer agora é unir Dipar, Sindicato e funcionários. O que é principal? Colocar as contas da Prodam em dia para principalmente mostrarmos à Câmara que aqui trabalhamos e estamos lutando para manter a Prodam no verde", defendeu o funcionário Celso Carlos de Toledo.

Pedro Saldanha, diretor do Sindpd, concluiu dizendo que a empresa tem sob sua responsabilidade sistemas informatizados de gestão e infraestrutura de telecomunicação, voltados para as áreas de educação, saúde, esporte, cultura, além de gerenciar processos administrativos fundamentais para a rotina do município de São Paulo.

Leia mais sobre a negociação do Acordo Coletivo Complementar de Trabalho (ACCT) da Prodam.

Entenda o Projeto de Lei 179, que prevê a extinção da companhia.




1/41
2/41
3/41
4/41
5/41
6/41
7/41
8/41
9/41
10/41
11/41
12/41
13/41
14/41
15/41
16/41
17/41
18/41
19/41
20/41
21/41
22/41
23/41
24/41
25/41
26/41
27/41
28/41
29/41
30/41
31/41
32/41
33/41
34/41
35/41
36/41
37/41
38/41
39/41
40/41
41/41



Compartilhe

LEIA TAMBÉM
ENQUETE
Você é favorável à Reforma da Previdência?

Sim
Não



Responder

Ver resultado
Ver enquetes anteriores


Facebook do Neto
Colônia de Férias
POR QUE SE FILIAR?
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar
Reservas de colônias


NOTÍCIAS MAIS...
Acessadas


SINDPDTV
SINDPDTV

Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW


HOMENAGENS
HOMENAGENS
Homenagens - mulher
Homenagens - 70

BLOG DO NETO
BLOG DO NETO

JORNAL DO SINDPD
JORNAL DO SINDPD

FGTS
FGTS