Notícias
Responsabilidade Social
12 de Setembro de 2017
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Prevenção do suicídio é tema da campanha Setembro Amarelo
Com o aumento da taxa de suicídio entre os jovens brasileiros, a regional de Araraquara promove debates sobre a questão



Com o aumento da taxa de suicídio para 62,5% entre pessoas de 15 a 29 anos, o ritmo está alarmante: são 5,6 mortes a cada 100 mil jovens, segundo a pesquisa "Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil e do Mapa da Violência: os Jovens do Brasil", da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso). E o Brasil está indo na contramão de países da Europa ocidental, Estados Unidos e Austrália, que têm conseguido diminuir os índices de suicídio entre os jovens.

Com a exposição das estatísticas, a campanha "Setembro Amarelo" se tornou nacional em 2014, quando notou-se a importância da conscientização para prevenção do suicídio. Com essa justificativa é que a regional do Sindpd em Araraquara, representada pelo diretor Daniel Forini, está participando da ação comunitária.

Com a distribuição de laços amarelos para a população, espera-se que haja mais reflexão e cuidado com uma questão que deve ser debatida à exaustão. "Durante todo o mês de setembro é comum ver espaços públicos e privados decorados e/ou iluminados com a cor amarela", contou o diretor. "Com o Setembro Amarelo, a ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio, além de divulgar o tema e alertar a população sobre a importância de sua discussão".

Clique aqui e saiba mais sobre a história do "Setembro Amarelo" e onde buscar ajuda.

Atenção aos sinais

  • Alterações significativas na personalidade ou nos hábitos;
  • comportamento ansioso, agitado ou deprimido;
  • queda no rendimento escolar;
  • afastamento da família e de amigos;
  • perda de interesse por atividades de que gostava;
  • descuido com a aparência;
  • perda ou ganho repentinos de peso;
  • mudança no padrão usual de sono;
  • comentários autodepreciativos recorrentes ou negativos e desesperançosos em relação ao futuro;
  • disforia (combinação de tristeza, irritabilidade e acessos de raiva);
  • comentários sobre morte, sobre pessoas que morreram e interesse pelo assunto;
  • doação de pertences que valorizava;
  • expressão clara ou velada de querer morrer ou de pôr fim à vida.
Compartilhe

LEIA TAMBÉM