Notícias
Notícias
28 de Abril de 2017
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Greve geral: grandes companhias de TI de São Paulo têm atividades interrompidas
Mobilizações ocorrem desde a madrugada em empresas como Sonda, Prodam e Prodesp



A adesão dos trabalhadores de tecnologia da informação do estado de São Paulo interrompeu as atividades em grandes companhias do setor nesta sexta-feira. Há paralisações em empresas privadas como Totvs e Sonda e nas estatais Cobra Tecnologia, Prodam e Prodesp, responsáveis pelas áreas de tecnologia do Banco do Brasil, da Prefeitura de São Paulo e do governo estadual.

Desde a madrugada desta sexta-feira, os profissionais de TI também se concentram na portaria das companhias da área, ao lado de dirigentes do Sindpd. Há relatos de adesão em todo o estado. Os profissionais protestam contra os ataques aos direitos trabalhistas e previdenciários.

No caso da Prodam, os trabalhadores também se manifestam contra a privatização da empresa, já que na última quarta-feira a Câmara Municipal de São Paulo aprovou uma emenda que prevê a extinção da companhia até 2018.

Desde as 6h da manhã, a diretoria do Sindpd está em frente à estatal com carro de som, falando aos trabalhadores também dos edifícios comerciais do entorno sobre as consequências das reformas em trâmite no Congresso, que prejudicam os trabalhadores. O ato bloqueou a avenida Francisco Matarazzo.

Para o presidente da CSB e do Sindpd, Antonio Neto, "a aprovação da reforma trabalhista representa para o País um ataque direto à Constituição. Na prática, os deputados decretaram o fim do 13º salário, das férias, licença-maternidade, fundo de garantia, entre outros benefícios já consolidados, ao permitir a criação de sistemas precários de contratação. Isso é um crime contra o País e o movimento sindical está dando a sua resposta, parando o Brasil".

"A reforma trabalhista foi feita para prejudicar os trabalhadores, foi feita dentro dos gabinetes e não escutou os trabalhadores. Temos que mostrar nossa indignação também em relação à reforma previdenciária, que foi feita para beneficiar os bancos", discursou o diretor do Sindpd, Edison Galli. "Os maiores devedores da Previdência Social são os grandes bancos, e o trabalhador vai pagar essa dívida. Hoje, temos que mostrar a nossa revolta e parar de trabalhar."

"A manifestação é muito importante para que as pessoas tenham consciência de que estão tirando os direitos que as outras lideranças no passado conquistaram para a gente. Eu não posso só pensar em mim, tenho que pensar na minha filha, nos meus amigos, nos amigos da minha filha que não vão mais se aposentar. Então, é muito importante que as pessoas tenham consciência que não é só interesse dos sindicatos. É o interesse dos trabalhadores!", diz o diretor, André Luiz Gonçalves de Araújo, que também é membro do CREP (conselho de representantes da Prodam).

Prodam

O vice-presidente do Sindpd João Antonio Nunes também participou do ato na Prodam. "Estamos aqui na defesa de nós todos, trabalhadores. Não vamos nos iludir, porque todos nós seremos atingidos", alertou o vice-presidente. "A reforma da Previdência atinge ativos e inativos, servidores, toda a categoria de trabalhadores".

Para o representante sindical, a adesão à greve sinaliza um Brasil que está demonstrando a indignação e a força do trabalhador, força que será mantida não apenas no dia 28 de abril e terá resultado futuramente, nas urnas. "Os deputados precisam saber que se aprovarem essa reforma da Previdência, nós vamos dar nossa resposta nas urnas. Se votar a favor, não volta. Nós vamos pressionar o Senado para que não votem pela reforma trabalhista", afirmou João Antonio Nunes.

Apesar de ser um ato nacional voltado à valorização da mão-de-obra do brasileiro, muitas empresas estão ameaçando os trabalhadores de demissão, contra o reconhecimento do direito da greve. "Essas empresas não reconhecem aquelas que lhes dão lucro, não têm o mínimo respeito. É a força do capital pressionando o trabalho".

Entre os trabalhadores que aderiram à greve está Naiara Marques, do Sintetel, que marcou presença junto ao Sindpd na porta da Prodam. "Eu acredito que a greve é legítima, é digna e tem que ser feita porque a reforma da Previdência acaba ferindo os trabalhadores em todo o Brasil e isso é muito grave", disse.

A diretora Maria José Ferreira da Silva Nogueira, que é membro do Crep, também participou do ato na Prodam. Ela destacou a importância da paralisação. "O dia de hoje passa a ser um marco para nossa nação, sabemos que a movimentação, a conscientização, o envolvimento das pessoas em fazer acontecer e em estarem de acordo com o que vem acontecendo é de suma importância para a sociedade. É uma movimentação pacifica, consciente. E saber que não é só para nós que estamos no tempo de idade e sim para os que estão vindo e precisam ser beneficiados. Vamos aguardar os resultados. Estamos juntos, vamos à luta".

Prodesp

De acordo com uma das diretoras do Sindpd que participaram da paralisação na Prodesp, Sandra Bueno, grande parte dos trabalhadores da empresa ficou em casa.

"Nós militamos na frente da empresa para conscientizar os trabalhadores. Fechamos a rua e aí os trabalhadores encostaram os carros e ficaram nos ouvindo falar sobre a reforma trabalhista e previdenciária e os riscos que eles correm dentre da Prodesp, que já tem PJ. Oficializando essa reforma, a Prodesp vai poder chamar cooperativas com serviços precários para o cidadão - porque a Prodesp presta serviço ao cidadão - e vai poder chamar PJs e consultores de serviços de empreitada, que é o tal do serviço intermitente", explicou.

Em estimativa feita pela diretora, cerca de metade dos trabalhadores não compareceu à Prodesp. "Fomos ouvidos, mas talvez por conta da repressão que talvez uma empresa do Estado passe para os trabalhadores, os fazem recuar em um momento de movimento como esse", disse.

Sonda IT

Na Sonda IT, uma das maiores companhias de tecnologia do País, trabalhadores de Barueri, Osasco e São Paulo, entre outras cidades, aderiram à paralisação. "Muitos trabalhadores atenderam ao chamado do sindicato e não compareceram à empresa", relatou o diretor Paulo César de Almeida, que, desde às 6h está com outros representantes do Sindpd na porta da Sonda IT.

Interior e litoral

O diretor Oscar Nolf, da regional do Sindpd em São José dos Campos, relata que trabalhadores da Cobra Tecnologia estão parados. Na Tivit, poucos profissionais compareceram à empresa.

Em Sorocaba, houve passeata no centro da cidade com participação de dirigentes do Sindpd em um ato unificado com a presença de centrais sindicais, entidades representativas de outras categorias e movimentos sociais.

Na cidade de Jundiaí, com a presença de mais de 1.500 trabalhadores e dirigentes sindicais, o Sindpd participou ao lado de outras categorias como Seaac e movimentadores de mercadorias. De manhã, parte das estradas, fábricas e lojas do centro da cidade permaneceram fechadas contra as reformas trabalhistas.

Em São José do Rio Preto, com participação do diretor Luis Garcia, o Sindpd participou do ato que resultou no fechamento da BR 153. Uma passeata teve origem em frente à Câmara Municipal e percorreu ruas da cidade (cerca de mil pessoas participavam do ato por volta das 10h). O diretor Valcir Fernando da Silva discursou sobre um carro de som em defesa da classe trabalhadora - o ato reuniu outras categorias como metalúrgicos, professores, servidores dos Correios, comerciários, operários da construção civil, entre outros. De acordo com o diretor, cerca de 5 mil pessoas participaram das manifestações. O movimento continua no período da tarde, com atos em frente ao INSS.

Diversas centrais, sindicatos e associações de trabalhadores estiveram reunidos em frente ao Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto. Representando o Sindpd e a CSB, os diretores Walter Pereira Ponce, José Roberto de Souza e Carlos do Carmo Silva participaram da manifestação que reuniu milhares de trabalhadores. Ao longo da manhã, a passeata seguiu para o centro da cidade.

Na baixada santista, as mobilizações aconteceram na entrada de Santos e de São Vicente. Em conjunto com outras centrais, o diretor José Carlos dos Santos participou de uma manifestação que bloqueou, por algumas horas, a estrada que dá acesso à cidade. Outro protesto paralelo, acompanhado pelo diretor Jeronimo Correia Bitencourt, reuniu trabalhadores no centro da cidade e em frente à prefeitura.

Acompanhe no portal do Sindpd mais informações sobre a greve geral.

1/121
2/121
3/121
4/121
5/121
6/121
7/121
8/121
9/121
10/121
11/121
12/121
13/121
14/121
15/121
16/121
17/121
18/121
19/121
20/121
21/121
22/121
23/121
24/121
25/121
26/121
27/121
28/121
29/121
30/121
31/121
32/121
33/121
34/121
35/121
36/121
37/121
38/121
39/121
40/121
41/121
42/121
43/121
44/121
45/121
46/121
47/121
48/121
49/121
50/121
51/121
52/121
53/121
54/121
55/121
56/121
57/121
58/121
59/121
60/121
61/121
62/121
63/121
64/121
65/121
66/121
67/121
68/121
69/121
70/121
71/121
72/121
73/121
74/121
75/121
76/121
77/121
78/121
79/121
80/121
81/121
82/121
83/121
84/121
85/121
86/121
87/121
88/121
89/121
90/121
91/121
92/121
93/121
94/121
95/121
96/121
97/121
98/121
99/121
100/121
101/121
102/121
103/121
104/121
105/121
106/121
107/121
108/121
109/121
110/121
111/121
112/121
113/121
114/121
115/121
116/121
117/121
118/121
119/121
120/121
121/121



Compartilhe

LEIA TAMBÉM
ENQUETE
Você é favorável à Reforma da Previdência?

Sim
Não



Responder

Ver resultado
Ver enquetes anteriores


Colônia de Férias

POR QUE SE FILIAR?
POR QUE SE FILIAR?

SINDPDTV
SINDPDTV
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar
Reservas de colônias


NOTÍCIAS MAIS...
Acessadas


Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW


HOMENAGENS
HOMENAGENS
Homenagens - mulher
Homenagens - 70

BLOG DO NETO
BLOG DO NETO

JORNAL DO SINDPD
JORNAL DO SINDPD

FGTS
FGTS